domingo, 6 de julho de 2014

Antes de partir...


A princípio apenas o título de um filme. Mas como todo filme, carrega consigo uma grande reflexão e lógico que comigo não poderia ser diferente.

Me peguei pensando em tudo o que gostaria de fazer antes de “partir”... e a resposta é bem simples: VIVER, como toda a intensidade que a vida puder proporcionar.

Entendo que partir não seja apenas morrer, mas vivemos partindo para muitos momentos de renovação na vida, de reconstrução e mudança de rumo. Cada uma dessas fases de um novo “partir” merece ser olhada com muito carinho.

A rotina costuma ser algo bastante pesado que nem todo mundo consegue lidar com ela. Vivemos assumindo compromissos e cumprindo obrigações, e na grande maioria das vezes, só paramos para avaliar o que estamos vivendo quando passamos por alguma situação limite, que nos coloque em risco ou que seja um grande susto.

Que pena!!

Viver apenas de rotina e obrigação é bem chato!!! É bem vazio!!

Não que as obrigações não possam nos trazer alegrias. Mas também precisamos de tempo para sonhar, para viver de grandes realizações e de grandes construções.

Tempo para viver de emoções, viver de reflexões, viver de compartilhar tudo aquilo que vier à cabeça ou que passar perto do coração.

Viver de tempo para os amigos, de tempo para os risos e não deixar nada contido que possa proporcionar grandes sensações.

Viver de abraços apertados, de beijos roubados e de carinho verdadeiro!!

Trazer para o dia a dia tudo que tem o poder de cura, como uma alimentação saudável, conversar adoidado, rir até a barriga doer e a lagrima escorrer.

Ter tempo para simplesmente não fazer nada, ou mesmo para fazer tudo o que achar que deve.

É preciso ter também tempo para chorar. Chorar pela dor sentida, pela relação perdida, pelas derrotas vividas e por tudo aquilo que deixar um gosto amargo na vida. Também é preciso chorar pelas vitorias alcançadas, pela felicidade inesperada ou pelas lutas da vida que sempre nos fortalecem.

Enfim, partir e recomeçar são circunstancias da vida... todo ser humano já recomeçou em algum momento, seja porque aquela fase acabou naturalmente ou porque de alguma maneira a vida pedia essa reviravolta. Mas no fundo, bem lá no fundo, o que realmente importa, é o que ainda queremos viver, mesmo que daqui a pouco seja a hora de novamente partir...

2 comentários:

  1. Aaaiiii, Patrícia, estou partindo das férias...buáááááá!!!
    Brincadeira, o bom de partir, penso eu, é começar de novo, todo dia, outra vez. É arrumar armário, deixar o que ficou velho, não serve mais, não te encanta pra trás e olhar pra frente, com outros planos, decidido a não repetir os velhos erros, cometer erros novos, ter outras experiências. Quanto à vida em si, aprendi que vive melhor quem se entende com a morte. É, parece horrível, mas é verdade. Participei de um almoço com minhas tias outro dia, 6 mulheres de 68 a 94 anos e uma das perguntas que saiu na mesa foi "O que você quer que digam de você quando você morrer?" e as respostas foram engraçadíssimas, de gente que não teme o fim desta vida porque tem certeza da outra, espera o céu, sabe que ele existe e está feliz em chegar lá. Assim como ninguém consegue abandonar a própria casa se tiver medo de viver sozinho, não acredito que seja possível abandonar as coisas desta vida se não houver a crença, ou a certeza ou pelo menos a expectativa de outra melhor que te espera. Graças a Deus, não tenho medo da morte, e nesse ponto, fecho com você: até lá eu vou viver!

    ResponderExcluir
  2. Vera minha querida amiga, que delicia te encontrar por aqui!!
    Adoro essa ideia de pensar o que queremos que digam sobre nós quando partirmos, seja dessa vida, ou apenas da vida de quem está pensando sobre isso... O que sei é que o melhor que podem dizer de nós, é que realmente vivemos com intensidade e fomos felizes!!! O resto, são particularidades que cada um constrói a suas. Beijos imensos no seu coração

    ResponderExcluir

Obrigada por me deixar seu recado!!