domingo, 22 de maio de 2011

Ate onde vamos nos calar??

Gostaria de deixar registrado minha indignação!!! Qual é o sentido de termos convenio e acesso aos hospitais da cidade de Jundiai se, quando precisamos destes serviços somos mal atendidos e tratados como lixos??? Pois bem, minha filha sofreu um tombo e por conta disso bateu com muita força a cabeça no chão... Corri ao hospital Santa Elisa logo que os acessos de vomitos se iniciaram e de cara fui informada que não havia medico pediatra de plantão (isto porque é um pronto socorro mas também maternidade)! Me encaminhei para o hospital Paulo Sacramento e a situação neste local era caótica: muita gente esperando para dar entrada nas fichas, muitas crianças esperando atendimento, mães nervosas por estarem esperando há muito tempo, outras mães esperando internação há mais de seis horas por conta da falta de leito!! Enfim, muitos doentes e o pior, poucos médicos atendendo e a informação de que faltavam dois médicos no plantão!! Resumindo a situação, fui atendida rapidamente pela medica por conta da gravidade do quadro, mas tivemos que esperar duas horas para a realização do primeiro exame, mais duas horas para a médica dar a devolutiva deste exame e mais uma hora para a primeira medicação!!! Descaso total, falta de educação e muita gente precisando de ajuda mas sendo tratadas como mal educadas, como se não tivessem motivos suficientes para estarem nervosas!!
Tirei minha filha do hospital sem permissão médica, pois acho um absurdo uma criança que sofreu um trauma tão forte na cabeça esperar por 5 horas de atendimento, como se esse fosse o procedimento padrão e normal!! Um ponto importante é que este período de 5 horas de espera não ocorreu de maneira passiva, pois de tempos em tempos me dirigia até o posto de enfermagem para buscar informações!
Com todas as queixas de dores e com acessos de vomitos por todos os corredores do hospital, ainda assim a criança foi colocada como um quadrão padrão, e ainda fui olhada pela médica como se fosse uma mãe relapsa porque minha filha encontrava-se desidratada!!!
Compartilho aqui minha frustraçao e preocupação com o momento que vivemos!!!! Afinal, esta é a minha historia, mas tenho certeza que todos que utilizem serviço de saúde possuem algum fato recentemente vivenciado como este para dividir!!!
Que tal colocarmos a boca no trombone?????

domingo, 15 de maio de 2011

Futuros adultos???

Olhamos para as crianças de hoje como os profissionais de amanhã, como sucessores de todo o conhecimento que estamos nos esforçando para adquirir e assim propagar.

Encaramos as crianças que temos com a possibilidade de continuação do desenvolvimento humano! Afinal, são elas que efetivamente carregarão todas as possibilidades de continuidade, de seguimento das funções humanas, das relações, do crescimento...

Enxergamos crianças capazes de evoluir e, aliás, como estas evoluções vêm se mostrando cada vez mais rápidas e surpreendentes, já que hoje não é raro ouvirmos dizer que as crianças da atualidade já nascem praticamente sabendo!

Bem, este olhar faz parte da busca concreta que temos de melhoria, da continuidade da vida! Apostamos nesta continuidade e talvez até mesmo por isso que buscamos investir na educação e no aprendizado de nossas jovens crianças, seja ele escolar, moral ou afetivo.

Enfim, com todo este empenho em passar o que sabemos será que estamos de fato olhando para nossas crianças como crianças??

Temo que não! Em muitos momentos entendemos nossos pequenos apenas como os FUTUROS ADULTOS de nossa humanidade, seres que precisam aprender e crescer para se tornarem melhores e mais sabidos!

Deixamos de olhar para estes seres de forma perfeita e acabada como de fato o são! Não são apenas os prospectos do que é bom para o amanhã, mas são no dia de hoje seres que se adaptam e que buscam dar o melhor de si, da melhor forma que são capazes no que vivenciam.

Talvez seja justamente esta visão de adultos em formação que nos faz preconizar e acelerar cada dia mais os pontos de desenvolvimento, sejam eles psicológicos ou cognitivos.

Não são de maneira alguma, seres mais simples ou incompleto que os adultos! SÃO TOTAIS em seu momento de ser criança, e cumprem com os papeis dignos da idade e das funções que estão aptos a desempenhar.

É preciso pensar que enquanto olhamos as crianças como adultos inacabados, deixamos de aprender com sua inocência, com a ternura e espontaneidade que nos mostram a todo o momento de convivência.

Por menores que sejam, crianças sãos seres ágeis e plásticos, capazes de se adaptarem mais facilmente que os adultos, cujos comportamentos já se encontram mais cristalizados e inflexíveis.

Não cabe a nós justificarmos que adultos são seres totais e crianças seres incompletos, ou ainda que crianças são seres superiores e absolutos sobre os demais. Cabe sim a nós refletirmos o quanto cada fase de vida é única e total, nos acrescentando na medida em que nos dispomos a isso experiências de vida incomparáveis e momentos preciosos!

Quero assim acreditar que venhamos a ter um olhar para os pequenos de admiração, e assim sermos capazes de aprender com ele tanto quanto os ensinamos! Quisera ainda que tudo o que ensinamos e adquirimos para a chamada vida mais madura, venha de fato sem pressões, sem precocidade, sem regras tão determinadas, deixando assim a possibilidade de ampliar nossas relações... CRIANÇA APRENDENDO COM ADULTO, QUE SE PERMITE APRENDER COM CRIANÇA!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Workshop: Cuidados com o cuidador... Estrutura emocional de quem acolhe!!


Trabalhar com o ser humano envolve sempre oferecer um pouco de si, mostrar um pouco de si... É um cuidado constante, mas infelizmente nos esquecemos de cuidar de nós mesmos!! Passamos facilmente a olhar mais para as necessidades alheias do que para as proprias.

Fica aqui um convite de resgate para o olhar para si mesmo, e cuidar de si mesmo!

Público alvo: PESSOAS!! Profissionais da saúde, professores, gestores de pessoas, ou qualquer outro ser humano que se sinta precisando aprender a valorizar o cuidado consigo mesmo. Afinal, vivemos a todo momento compartilhando...