quarta-feira, 30 de março de 2011

Corpo... Companheiro ou vilão?

Somos dotados de corpo!! Isso é indiscutível...

Um corpo de suporte e que dá sustentação, um corpo que possibilita movimentos, um corpo que transmite sensações e as manifesta em forma de expressões, um corpo que usamos e desfrutamos!

Esbelto, trabalhado, cuidado com primor... Desleixado, abandonado, mal tratado...

Diversas formas de se tratar um mesmo corpo. Podemos cuidar e nos sentirmos satisfeitos com o que possuímos, podemos abandonar e deixar que a natureza siga seu rumo! Podemos nos fixar a ele com a intenção de que seja um modelo de perfeição, podemos ainda apenas mantê-lo vivo e funcionando, o suficiente para a sobrevivência!!

Um mesmo corpo, muitas formas de relacionar-se com ele!

Nos dias atuais, percebo que vivemos a era dos extremos: ou cuidamos demais de tudo ou abandonamos tudo demais! E claro que isso serve também para o relacionamento que mantemos com o próprio corpo.

Vemos pessoas que valorizam apenas o que possuem fisicamente e que elevam seus padrões a tais pontos, mantendo o nível de satisfação absurdamente inatingível. Também vemos pessoas que acreditam que ter apenas inteligência a oferecer é o suficiente e assim, passam apenas a sobreviver fisicamente falando, mas sem cuidado algum com o “bem” que possuem.

Vemos o mundo enaltecendo e expondo os belos corpos tidos como os ideais para a humanidade atual, e ao mesmo tempo notamos que esses belo corpos não são suficientemente bons para garantir a felicidade de quem os possui.

Também passamos por um momento no qual descobre-se que o olhar de dentro e o olhar de fora são ambíguos, pois, de que nos adianta o mundo dizer que temos belos, poderosos e sedutores corpos, se temos o auge das distorções com a própria imagem, levando até mesmo a sérios transtornos emocionais?

Temos corpos poderosos, capazes de camuflar tantas fraquezas emocionais quantas somos capazes de vivenciar! Corpos tão bem vestidos de armaduras que escondem em seu interior pessoas simples e sensíveis como qualquer outra...

Enfim... Parece que passamos a viver ou em função do corpo que possuímos ou fingindo que para nada nos serve!

Onde será que mora o equilíbrio? O que fez com que a humanidade perdesse o bom senso e encontrar-se em tão alto grau de extremidade?

Um corpo não é capaz de suprir toda e qualquer necessidade de desenvolvimento do ser humano, assim como um raciocínio fenomenal não suprimi a necessidade de se sentir bem no relacionamento com o espelho!!

Quisera viver numa era onde entendemos o corpo como um “bem precioso” que temos, e que nos possibilita o desenvolvimento de muitas coisas, como a auto- estima, mas ainda assim entendendo que esse é apenas um dos pontos importantes de nossa vida! Quisera aprender a buscar o equilíbrio entre o belo e o feio, o saber e a ignorância, o olhar do outro e o próprio...

Quisera entender o corpo como um companheiro, um parceiro ao invés do vilão capaz de jogar tudo ao vento...

terça-feira, 8 de março de 2011

Ser mulher...

Poetas para dizer o que isso significa não faltaram até o presente momento... Alguns dizem que é usar de sensibilidade, outros dizem que é desfrutar de sua possível ligação com Deus, há ainda os que falam dos dons do cuidado com o outro!

Parece mesmo ser um mistério nas mãos de tantos poetas... Mas com toda a delicadeza que podem, sem duvida alguma nos tocam com tamanha dedicação na busca de uma bela definição!

Definir o que é ser mulher é lidar com variações a todo instante, pois além de mulheres, somos amigas, companheiras, profissionais, líderes, filhas, irmãs, colegas... Enfim, seres humanos cheios de papéis a desempenhar e de mudanças a viver!!

Força e dedicação, misturada a doçura e delicadeza! Sensibilidade a flor da pele, mesclada a garra e determinação!!

Ser mulher é lidar em muitos momentos com a necessidade de abdicar de seus desejos por alguém importante em nossas vidas. É lidar com uma gangorra de emoções que nos acometem a todo instante quando falamos das pessoas que amamos.

É aprender a adaptar-se a novas realidades e de maneira bem rápida para sofrer o mínimo possível. Acho mesmo que a frase “levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima” descreve bem essa situação...

Ser mulher é ter o dom de ser mãe até de suas amigas, namorados, maridos ou mães, oferecendo colo, ouvido e um cafuné sempre que a dor de barriga bater ou qualquer outra necessidade de colo que possa surgir. Não é preciso ter um filho gerado em seu ventre para aprender a ser mãe, basta nascer mulher...

Ser mulher é ter a habilidade de rir e de chorar no mesmo dia, ambos com uma intensidade gigantesca. Aliás, rir e chorar ao mesmo tempo não é algo tão sobrenatural assim não é?!

Ser mulher é descobrir-se capaz de realizar coisas que te agradem, mesmo que te digam que essa tarefa é do mundo dos homens, e mesmo assim, sentir-se feminina e delicada.

Ser mulher é trabalhar mesmo quando estamos em crise, com dor ou com grandes preocupações pessoais, e ainda assim, oferecer o melhor de si para aquilo que está fazendo.

É ter o dom de se olhar no espelho e se sentir acabada e esgotada, mas mesmo assim encontrar com alguém que te diga que nunca pareceu tão bem. É também ser capaz de sermos muitas e representarmos diversos papéis durante um longo período, e ainda assim preservar uma única maneira de ser, sem perder a essência.

Mulher ideal?? Talvez seja aquela que com um sorriso consiga cativar a quem precisa, que com um olhar diga o que todos precisam entender e que não precise ser rude para mostrar a que veio.

Mulher ideal é que a busca unir todos os seus papéis com doçura, mesmo que para isso precise ser impositiva, que consiga usar de flexibilidade mesmo quando está determinada a atingir seu objetivo e que ainda assim coloque gestos de delicadeza quando está séria e determinada a ser levada a sério.

Ser mulher é lidar com uma guerreira que reside em nosso interior, e que mesmo baleada e cansada, ainda é capaz de lutar e de mudar o rumo de sua vida.

Um dia internacional não nos torna mais mulheres ou mais valorizadas por esta data, afinal, somos mulheres em todos os demais dias do ano. Porém esta data nos traz à tona a lembrança do quanto temos a oferecer, do quanto podemos sentir e do quanto viver e compartilhar é o sentido de tudo que somos!

Feliz dia internacional da mulher para todas as guerreiras que por aqui passam... E que os homens que por aqui estiverem, saibam valorizar as mulheres com as quais convivem, e dizer isso a elas!!