domingo, 20 de fevereiro de 2011

Quem não se comunica se “estrumbica”!!

Essa frase revela algo real em nós seres humanos!! Somos aptos a nos comunicarmos, a nos expressarmos de diversas maneiras diferentes! Não vivemos sem a comunicação, seja ela de qual natureza for!

Com palavras, com gestos, com o olhar, com o silêncio... De qualquer maneira, basta usar a criatividade e meios para a expressão não nos faltam!

Desde muito cedo aprendemos que a fala é a o principal meio que temos para mostrar o que pensamos, o que sentimos, o que vemos e o que sonhamos. As palavras passam então a ser as fortes aliadas no que diz respeito à comunicação!

No entanto, em se tratando do ser humano somos também aptos a desenvolver complexidade até mesmo no que deveria ser simples, e assim o mesmo que facilita é capaz de complicar! Da mesma forma que utilizamos as palavras para dizer o que queremos também as utilizamos para confundir quem está ao nosso redor!

Grande parte dos problemas nos relacionamentos surgem por dificuldades na comunicação ou mesmo por falta desta. Casais se separam por conta disso, amigos se desentendem desta forma, colegas de trabalho se estranham por não conseguirem se comunicar.

Por vezes acreditamos que somos claros e nossas atitudes, e que nossas expressão é capaz de dizer tudo que queremos, desejamos e sentimos! Ledo engano... O outro não tem a obrigação de adivinhar o que nos vai ao coração apenas pela expressão facial! É preciso estar disposto a falar, a explicar e claro, também expressar corporalmente se quisermos mesmo ser entendidos!

Buscamos interpretar o que entendemos por comunicação não verbal vindo do outro, e aqui mora uma série de complicações! Definitivamente não somos bons de interpretação, pois para isso nos utilizamos de nossas próprias experiências e sentimentos para interpretar o outro, ou seja, interpretamos o outro apenas com nossos olhos e não com os olhos de quem agiu!

Costumo dizer que, se fossemos mesmo bons de interpretação, não teríamos tantas religiões, as quais cada uma nos mostra sua visão e crenças baseadas em um mesmo livro!

Falamos o que queremos e o que não queremos, mas nem sempre somos leais ao que vai ao coração! Por isso falar significa comunicar, mas não necessariamente uma comunicação eficiente.

O que queremos de fato passar com a comunicação? Queremos nos mostrar ou nos esconder? Desejamos falar ou esperamos que o outro adivinhe? Repensar a comunicação que mantemos, é uma boa forma de rever relacionamentos, trazendo a consciência onde acertamos e onde precisamos aprimorar! No entanto, também é um exercício que requer paciência e disposição para mudar... Depende de cada um!

Fica então o desafio... SERÁ QUE VOCÊ SABE SE COMUNICAR? Comece comigo, e exerça aqui sua comunicação!! Boa sorte

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Loucura???

Fazer coisas que o os outros desaprovam, ser diferente, agir com mais com o coração que com a razão, ser determinado, ousar, arriscar... Sonhar, divagar, fantasiar...

Sinais de loucura? Talvez... Quem pode dizer ao certo se são sinais de loucura garantidos ou se são apenas maneiras de um mesmo ser agir e se renovar?

Buscamos por padrões, por métodos seguros, por resultados garantidos! E claro que pra padronizar, tudo que foge a regra é errado... Tudo que foge a regra é loucura!!

Aprendemos a reprimir o que é louco ou diferente, e aprendemos isso depois de adultos, pois enquanto crianças, quanto maior a loucura, mais satisfatório é o resultado! A criança orgulha-se de ter a loucura por perto, e quando encontra um adulto assim, sente-se um ser realizado! É o que ajuda a desenvolver a criatividade, o lado brincalhão, a espontaneidade que tanto admiramos nesses pequeninos...

A loucura a que me refiro não é aquela que atesta a sanidade ou insanidade mental, a manter com louvor o bom funcionamento das capacidades mentais, mas sim as atitudes que tomamos e ao modo como agimos. Atitudes essas que são sempre passiveis de julgamento e condenação: LOUCURA TOTAL!!

E aqui me atormenta uma pergunta: Quem realmente é capaz de determinar o que é loucura e o que vale a pena?

Pois se há a facilidade em julgarmos e determinados o que é loucura perante nossos olhos morais, também há a facilidade em sonharmos! E talvez, esses sejam os maiores responsáveis por agirmos assim...

Agir de maneira que o mundo desaprove pode ser apenas uma questão de ponto de referência, do meio ao qual estamos inseridos e do que esperamos uns dos outros!

Quem nunca olhou alguém com olhos julgadores, com condenação, com a convicção de que aquilo que vemos é loucura? E por outro lado, quem nunca se sentiu olhado e analisado assim?

Se nos permitíssemos ousar mais, arriscar mais, seguir mais o que o coração nos pede, talvez a loucura deixasse de ser um problema e passasse a ser a solução de muitas dores da alma!

Reprimimos o que temos de mais espontâneo em nós mesmos! Crescemos e nos tornamos pessoas padronizadas, bons seguidores de regras e de comportamentos estereotipados!

Quer loucura maior que o uso de uniformes?? Quer algo mais repressor e reprovador que uniforme no ambiente de trabalho?

Quando crianças, entendemos que na escola é importante usar uniforme para que sejamos identificados como pertencentes a um grupo, é uma forma de proteção inclusive. E quando adultos??? Continuamos precisando desse cuidado, ou tememos as diferenças?

Há quem diga que os uniformes servem para que as pessoas não ousem em demasia no ambiente de trabalho e com isso não vulgarizem o local. No entanto, sou mais adepta da idéia de que se somos capazes de vulgarizar, é porque de alguma maneira temos pouco tempo e oportunidades para sermos nós mesmos, e quando o somos, nos soltamos além do que precisamos!

Loucura mesmo é pré determinarmos o andamento da vida, é acreditarmos que somos capazes de cuidar de tudo que possa nos acontecer sem riscos, sem mudanças ao longo do caminho, sem sermos pegos de surpresa com imprevistos e situações com as quais não damos conta de lidar!

Loucura mesmo é escolhermos o caminho que nossos filhos devem trilhar para serem felizes, é determinarmos padrões de comportamentos que tolhem a liberdade, a individualidade e a forma de expressão desde que entramos na escola (e olha que isso hoje acontece cada vez mais cedo!)!

Loucura mesmo é sermos obrigados a escolher o que fazer o resto da vida apenas com 17 anos e ter a obrigação de acertar de primeira!

Loucura mesmo é impor que não há a possibilidade de mudar de idéia no meio do caminho, de restringir as escolhas que fazemos sempre ao padrão já realizado! Louco é quem aceita ser engessado pelo pré- estabelecido, e segue sua vida sem mudanças nunca...

Louco pra mim, é quem não pense no que vive, apenas segue seu caminho padrão, suas “escolhas” pré-determinadas, sua vida rotineira, sem nunca se questionar de fato se é isso que espera de si!

Louco é não sentir, ou obrigar-se a não sentir porque alguém disse que isso é loucura! É viver a vida do outro, como o outro, do jeito que o outro determinou por achar que assim é mais seguro...

Loucura mesmo é acreditar que loucura é coisa ruim... Todos temos um pouco de loucos, e talvez seja exatamente isso que nos torna especiais, cada um do seu jeito, e sem padrões normais!!